Delegacia de Alagoinhas terá de transferir presos por superlotação


A Carceragem de Alagoinhas não poderá mais custodiar presos provisórios em quantidade superior ao limite de 38 pessoas, capacidade para a qual ela foi projetada. A decisão proferida hoje, dia 20, pelo juiz Álvaro Maques de Freitas Filho atende a pedido formulado pelo Ministério Público estadual, por meio do promotor de Justiça Gilber Santos de Oliveira. O Juiz concedeu ao Estado da Bahia o prazo de 120 dias para reformar a carceragem e determinou a transferência dos presos que excedam sua lotação para outras unidades prisionais, exceto os presídios de Salvador.

O pedido do MP levou em conta as “péssimas” condições estruturais e sanitárias constatadas nas vistorias do Comitê Interinstitucional de Segurança Pública (Cisp), coordenado em Alagoinhas pela 1ª Promotoria de Justiça da comarca. O promotor de Justiça Gilber de Oliveira explica que, apesar de projetada para receber apenas 38 presos, a carceragem “costumeiramente abriga por volta de 100  detentos de Alagoinhas e cidades vizinhas, o que configura superlotação, trazendo prejuízos aos custodiados e provocando o risco de perda do controle”. Esta decisão confirma o entendimento da Vara de Fazenda Pública que, em junho do ano passado, já havia determinado a reforma da unidade prisional com base nas mesmas razões. [MP/Ba / 
Foto: Alta Pressão Online]

Comente

Postagem Anterior Próxima Postagem