A Associação LGBTI+ e o Grupo Arco-Íris apresentaram ao procurador-geral do Ministério Público do Rio de Janeiro uma representação criminal contra o pastor Silas Malafaia.

As entidades afirmam na petição que o pastor "cometeu deliberadamente, dolosamente e conscientemente o crime de transfobia, tipo penal reconhecido pelo STF".

De acordo com O Globo, a representação foi motivada após Silas Malafaia sugerir um boicote à Natura por escolher Thammy Miranda como estrela da campanha da empresa no Dia dos Pais. Escreveu Malafaia.

As associações sustentam que Malafaia "constrói uma narrativa social que propaga o ódio, incita a violência e não garante o livre desenvolvimento da personalidade de pessoas de identidade de gênero ou de orientação sexual divergentes das hegemônicas". Foto: Isac Nóbrega/PR

Post a Comment

Postagem Anterior Próxima Postagem