Header Ads

Bahia lidera desigualdade de renda no país; salários para homens, brancos e idosos aumentam, aponta IBGE


O estado da Bahia teve o maior índice de desigualdade nos rendimentos do país. É o que aponta um levantamento que comparou dados de 2016 e 2017 e foi divulgado nesta quarta-feira (11) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE). 

Além do crescimento da desigualdade salarial, o estudo traz outras informações, como rendimento salarial familiar e aumento da renda de trabalho para homens, brancos e idosos e outros.

Com relação a liderança na desigualdade salarial, o IBGE aponta que de 2016 para 2017, o salário médio real dos trabalhadores que ganhavam menos na Bahia caiu 5,9%, ao passar de R$ 472 para R$ 444. Entretanto, o rendimento médio de trabalho de 10% dos trabalhadores que detêm os maiores salários aumentou 31,7%, passando de R$ 5.946 para R$ 7.833.

Já o cenário nacional, foi predominantemente estável. A distância entre os que ganham mais e os que ganham menos se manteve no período, com uma pequena redução (-0,50%.), segundo informou o IBGE.

De acordo com a pesquisa do instituto, em 2017 na Bahia, 10% de trabalhadores com maiores rendimentos ganhavam, em média, 18 vezes o salário da metade dos trabalhadores que ganhavam menos. Essa diferença foi de 13 vezes em 2016. No país, a distância permaneceu em 12 vezes de um ano para o outro.

O aumento da desigualdade nos rendimentos de trabalho na Bahia, entre 2016 e 2017, se reflete no Índice de Gini, que mede a desigualdade de renda. Esse indicador aponta que, quanto mais próximo de 1, maior a desigualdade de renda entre a população.

No ano passado, a Bahia teve o maior Índice de Gini do país para os rendimentos de trabalho efetivamente recebidos: 0,599, com um aumento frente a 2016 (quando havia sido de 0,537) e acima da média nacional, que foi de 0,524 em 2017.

Os estados com menores desigualdades entre os rendimentos de trabalho, em 2017, foram Santa Catarina (0,408), Rondônia (0,438) e Mato Grosso (0,446).

A pesquisa do IBGE apontou, ainda, que na Bahia o aumento do rendimento efetivamente recebido por todos os trabalhos, entre 2016 e 2017, foi maior para os homens (+17,2%) do que para as mulheres (+6,2%); para os brancos (+38,7%) do que para os pardos (+5,7%) e pretos (-1,6%); e para as pessoas de 60 anos ou mais de idade que ainda trabalhavam (+46,9%) do que para as demais faixas etárias tradicionalmente associadas ao mercado de trabalho, como pessoas entre 25 e 29 anos de idade (+21,2%), 30 a 39 anos (+9,2%) e 40 a 49 anos (+17,5%).

Esse aumento de renda, segundo o IBGE, acentuou algumas desigualdades já existentes, sobretudo por sexo e cor ou raça.

Ainda segundo a pesquisa, se em 2016 as mulheres baianas que trabalhavam recebiam, em média, o equivalente a 85% do salário dos homens, um ano depois passaram a receber 77%. Em 2016, o rendimento médio dos pardos era 73,1%, comparado ao dos brancos e passou a 55,7% em 2017; já o dos negros equivalia a 69% dos brancos em 2016 e passou a representar, em média, menos da metade (48,9%) em 2017.|g1 / Foto: Marina Silva/CORREIO

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.